segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Desenho infantil


O grafismo infantil não é um conjunto de rabiscos, ou desenhos desprovidos de significados, mas sim uma representação simbólica que a criança manifesta da sua visão do mundo enquanto inserida num determinado contexto sócio-cultural e num determinado nível de desenvolvimento.
A criança associa ao prazer do gesto, o prazer da inscrição, a satisfação de deixar a sua marca. Através do desenho ela cria e recria individualmente formas expressivas, juntando a percepção, imaginação, reflexão e sensibilidade.
A criança ao desenhar, passa por diferentes estádios (etapas) que definem formas de desenhar que são bastante similares em todas as crianças, apesar das diferenças individuais de temperamento e sensibilidade.
Etapas:

De 1 aos 3 anos
É a idade das famosas garatujas: simples riscos (movimentos rítmicos de ir e vir), ainda desprovidos de controlo motor. A criança ignora os limites do papel e mexe todo o corpo para desenhar, avançando os traçados pelas paredes e chão. Ela sente prazer ao constatar os efeitos visuais que a sua acção produziu. As primeiras garatujas são linhas longitudinais que, com o tempo, vão se tornando circulares e, por fim, se fecham em formas independentes, que ficam soltas na página. No final dessa fase, é possível que surjam os primeiros indícios de figuras humanas, como cabeças com olhos.

De 3 a 4 anos
Já conquistou a forma e seus desenhos têm a intenção de reproduzir algo. Ela também respeita melhor os limites do papel. Mas o grande salto é ser capaz de desenhar um ser humano reconhecível, com pernas, braços, pescoço e tronco.

De 4 a 5 anos
É uma fase de temas clássicos do desenho infantil, como paisagens, casinhas, flores, super-heróis, veículos e animais, varia no uso das cores, buscando um certo realismo. Suas figuras humanas já dispõem de novos detalhes, como cabelos, pés e mãos, e a distribuição dos desenhos no papel obedecem a uma certa lógica, do tipo céu no alto da folha. Aparece ainda a tendência à antropomorfização, ou seja, a emprestar características humanas a elementos da natureza, como o famoso sol com olhos e boca. Esta tendência deve se estender até 7 ou 8 anos.

De 5 a 6 anos
Os desenhos baseiam-se sempre em roteiros com princípio, meio e fim. As figuras humanas aparecem vestidas e a criança dá grande atenção a detalhes como as cores. Os temas variam e o facto de não terem nada a ver com a vida dela são um indício de desprendimento e capacidade de contar histórias sobre o mundo. Nesta idade surge também a tendência para a antropomorfização, ou seja, dar características humanas a elementos da natureza, como o famoso sol com olhos e boca (esta tendência prolonga-se até aos 7 ou 8 anos).

De 7 a 8 anos
O realismo é a marca desta fase, em que surge também a noção de perspectiva. Ou seja, os desenhos da criança já dão uma impressão de profundidade e distância. Extremamente exigentes, muitas deixam de desenhar, quando acham que seus trabalhos não ficam bonitos.

De 9 a 13 anos
A linha de base e do horizonte encontram-se cobrindo o espaço em branco que existia na fase anterior, tendência para as linhas realistas. A linha de base exprime: base, terreno, os objectos são desenhados perpendiculares a esta linha. A linha do horizonte exprime o céu. Maior rigidez resultante da atitude egocêntrica e da ênfase sobre detalhes como roupas, cabelos, etc. Diferença acentuada entre meninas e meninos, maior consciência do eu em relação ao sexo. Idade do bando, meninos junto de meninos e meninas junto de meninas. Aproximação realista inconsciente, tendência a disposição visual ou não visual, amor a acção e a dramatização. Introdução das articulações na figura humana, atenção visual às mudanças de movimento introduzidas através do movimento ou da atmosfera. Espaço tridimensional expresso pelas proporções diminuídas dos objectos distantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário